Pesquisar neste blogue

A diversidade na Igreja

"A casa do meu Pai tem muitas moradas", diz-nos Jesus no evangelho.

A unidade na diversidade não é sempre aparente na Igreja enquanto povo de Deus, mas é uma realidade em Deus e uma presença na fé cristã desde a sua origem. A Palavra de Deus não é partidária, elitista e exclusiva. O Reino de Deus é como uma árvore que estende os ramos para dar abrigo a todos os pássaros do céu. Cristo não morreu na cruz para salvar uma mão cheia de cristãos. Até o Deus Uno encerra em si o mistério de uma Trindade.

A Palavra de Deus é inequívoca e só pode levar à desinstalação, à abertura ao outro, e a recebê-lo e amá-lo enquanto irmão ou irmã. Ninguém fica de fora, nem mesmo - se tivessemos - os inimigos.

Muitos cristãos crêem nesta Igreja, nesta casa do Pai, corpo de Cristo, templo do Espírito Santo. Mas como esquecer que muitos se sentem "de fora" por se verem rejeitados, amputados e anulados, e afastam-se por ninguém lhes ter mostrado que há um lugar para cada um, com a totalidade do seu ser?

Um blogue para cristãos homossexuais que não desistiram de ser Igreja

Porquê este blogue?

Este blogue é a partilha de uma vida de fé e é uma porta aberta para quem nela quiser entrar. É um convite para que não desistas: há homossexuais cristãos que não querem recusar nem a sua fé nem a sua sexualidade. É uma confirmação, por experiência vivida, que há um lugar para ti na Igreja. Aceita o desafio de o encontrares!

Este blogue também é teu, e de quem conheças que possa viver na carne sentimentos contraditórios de questões ligadas à fé e à orientação sexual. És benvindo se, mesmo não sendo o teu caso, conheces alguém que viva esta situação ou és um cristão que deseja uma Igreja mais acolhedora onde caiba a reflexão sobre esta e outras realidades.

Partilha, pergunta, propõe: este blogue existe para dar voz a quem normalmente está invisível ou mudo na Igreja, para quem se sente só, diferente e excluído. Este blogue não pretende mudar as mentalidades e as tradições com grande aparato, mas já não seria pouco se pudesse revelar um pouco do insondável Amor de Deus ou se ajudasse alguém a reconciliar-se consigo em Deus.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Em conversa com uma realizadora

Catarina Mourão: O cinema é uma janela para a transcendência
«A Lourdes e eu andamos vários anos até encontrarmos essa dança comum, ou seja vários anos até percebermos como nos relacionarmos perante a câmara e o filme. Porque uma coisa é a relação por detrás da câmara, outra a relação que a câmara depois traduz.»
Em entrevista ao Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura e Agência Ecclesia, Catarina Mourão, realizadora de “Pelas sombras”, sobre a vida e obra da artista plástica Lourdes Castro, descreve a relação com a protagonista do seu documentário, fala da exibição recente na Capela do Rato, em Lisboa, partilha a sua visão acerca da relação entre cinema e transcendência e critica o panorama da sétima arte em Portugal.

O cinema domina, hoje, a sua vida profissional. Tornar-se realizadora foi uma escolha evidente desde cedo?
Desde cedo que o cinema me fascinou. Tornar-me realizadora foi uma escolha tardia. Licenciei-me em direito, embora nunca tenha gostado do curso. Ao longo do curso estudei música e comecei a trabalhar em cinema, sobretudo como tradutora de guiões e sinopses e, mais tarde, como assistente de produção e realização. Só depois da licenciatura em direito é que fui estudar cinema.

Como surgiu Lourdes Castro e a ideia de a filmar?
A ideia de filmar o trabalho e vida da Lourdes Castro surgiu em 1997. A Valentim de Carvalho Televisão estava na altura a pensar desenvolver um catálogo de documentários sobre artistas plásticos e desafiou-me a escolher uma artista. Eu escolhi a Lourdes Castro. Conhecia o trabalho da Lourdes, de que sempre gostei e, sobretudo, tinha visto uma performance/peça de teatro de sombras em 1985 no CAM que me marcou completamente. E, se calhar, inconscientemente, influenciou o meu cinema hoje. O cinema feito de pequenos gestos, de situações aparentemente invísiveis e anónimas.

À medida que “Pelas Sombras” se desenrola, há uma tal harmonia e fluidez narrativas, nos gestos de Lourdes Castro, na sua intimidade, o que partilha, que dá a sensação de que a vossa afinidade foi automática, de que as coisas surgiram tão claras e evidentes como a própria Lourdes. Foi assim?
Eu acho que houve logo de início uma grande empatia entre as duas, mas isso não quer dizer sintonia. É como uma dança, é preciso perceber os ritmos de cada um. A Lourdes e eu andamos vários anos até encontrarmos essa dança comum, ou seja vários anos até percebermos como nos relacionarmos perante a câmara e o filme. Porque uma coisa é a relação por detrás da câmara, outra a relação que a câmara depois traduz. É evidente que andam as duas muito próximas mas houve obviamente um trabalho de “mise en scène” e ajuste para permitir que os vários encontros entre a Lourdes e eu, o quotidiano e o trabalho, o som e a imagem provocassem qualquer coisa nova. É isso que faz o cinema: não é um mero registo mas a invenção de uma nova realidade a partir da realidade filmada e anteriormente observada.

Quanto tempo durou a rodagem do filme?
As primeiras filmagens datam de 2003, mas de uma forma mais sistemática e com a certeza que estávamos a fazer um filme, a partir de 2007. De 2007 a 2010 filmámos uma semana por estação do ano.

De que forma participou Lourdes na conceção do filme?
A Lourdes participou no filme não só como personagem que se expõe ao longo de todo o filme mas também na medida em que o seu trabalho presente, o quotidiano no jardim e na casa, tomam forma através do filme. Ou seja, é de certa forma no filme que a Lourdes verbaliza de forma mais assumida como a sua obra está em total fusão com a sua vida. Nesse sentido o filme e a sua obra confundem-se um bocado. Ao tornar visível através do filme, uma obra que é aparentemente invisível “por ser grande demais ou pequena demais” (palavras da Lourdes) o filme acaba por participar da obra da Lourdes assim como a obra da Lourdes participa do filme, embora essa construção, representação do trabalho da Lourdes seja feita por mim, através do meu olhar. Mas há como que uma fusão muito grande entre o meu olhar e a construção do filme e a construção da obra da Lourdes através do filme.

Teve a preocupação de se preparar muito bem para filmar Lourdes ou optou por descobri-la à medida da rodagem (pelo menos numa fase inicial)? 
Preparei-me conhecendo a obra da Lourdes, lendo textos sobre o trabalho dela, textos do Manuel Zimbro, textos do João Fernandes. Mas tudo isto é apenas uma contextualização. Uma relação faz-se no terreno, no dia a dia. Uma pessoa tem sempre muito mais dimensões que transcendem a sua obra. Foi na preparação e na rodagem que fui descobrindo a Lourdes e ela a mim. Essa relação e descoberta continua hoje.

Que impacto teve o filme em Lourdes? Teve a perceção se a transformou, de algum modo?...
Acho que qualquer experiência onde nos envolvemos com maior profundidade nos transforma. Neste caso, acho que o tempo da Lourdes e a sua opção de não ter pressa e de valorizar o momento presente foi muito importante para mim, influenciou o filme e influenciou o meu olhar. Permitiu-me relativizar muita coisa e perceber o que é importante. Às vezes esquecemo-nos de que a vida se conjuga no presente e estamos sempre a projetar para a frente. Isso não quer dizer que não se planeie e antecipe algumas coisas mas tudo no sentido de melhor desfrutar a vida presente, o lado sensorial da vida também. Hoje em dia tendemos a ser cada vez mais cérebro e pouco corpo.

O que lhe suscitou este convite para apresentar o seu filme numa capela? 
Gostei muito da experiência. Acho que os filmes só ganham em ser mostrados em contextos diferentes, com públicos diferentes. De certa forma a atenção e concentração que se tem numa igreja pode ter pontes de contacto com a atenção que se tem no cinema.

Em que medida considera a importância do cinema como via de transcendência?
O cinema e as artes em geral podem ser uma via de transcendência. Para mim, transcendência é aquilo que nos transporta para uma dimensão diferente, mais espiritual e emocional. É de certa forma aquilo que nos permite aceder a zonas do nosso inconsciente que não exploramos normalmente, mas também a qualquer coisa que nem sempre conseguimos explicar racionalmente. E a arte tem um papel fundamental nisto. É através dela que podemos organizar emocionalmente aquilo que nos rodeia. O cinema pela sua dimensão onírica é facilmente uma janela para essa transcendência, nele jogam a subjetividade, a poesia, a metáfora, e o sublime também.

E o seu papel na sociedade atual - como motor de reflexão e debate?...
O cinema tem também uma dimensão política, pedagógica. Sobretudo, o cinema documental que convoca a realidade e a transforma, é, sem dúvida, um motor para reflexão e debate. O documentário que me interessa é aquele que não procura dar respostas mas sim levantar questões, acordar o espectador para novas problemáticas e, sobretudo, novos pontos de vista sobre a sociedade em que vivemos. Nesse aspeto acho que o filme “Pelas Sombras” é também um filme político, na medida em que nos chama a atenção para a necessidade de mudarmos um pouco de paradigma na forma como muitos de nós vivemos, numa sociedade demasiado capitalista e orientada para o consumo.

Que balanço faz da sua carreira cinematográfica?
É difícil responder a essa pergunta. A minha carreira tem quase 14 anos. Acho que é um momento de balanço. Em cada filme que faço sinto que estou a sempre a experimentar novas abordagens e acho que o meu percurso será sempre o da experiência. Embora consiga identificar uma continuidade no meu trabalho, há rimas claras de uns filmes para os outros. No entanto, em Portugal aposta-se muito pouco numa continuidade dos artistas, e fazer um filme de quatro em quatro anos é muito pouco.

E projetos?
Neste momento estou a desenvolver um novo projeto na Índia, mas ainda não tenho financiamento, por isso tenho de ir devagar. Estou a escrever e a trabalhar para um projeto de doutoramento sobre a representação do sonho no cinema. Mas dou aulas de cinema, é isso que me permite continuar.

Que comentário faz ao momento atual do cinema em Portugal? 
É um momento muito difícil, mas não tenhamos ilusões: nunca foi fácil fazer cinema em Portugal. Talvez essa dificuldade se reflita na identidade do cinema português para o bem e para o mal. De qualquer forma existe uma certa esquizofrenia no sentido em que o cinema português é muito bem recebido fora de Portugal e depois em Portugal há pouco apoio para a sua divulgação. Este filme “Pelas Sombras” deveria ter tido o percurso natural de um filme e passar com regularidade numa sala de cinema. No entanto, não houve nenhuma distribuidora que quisesse arriscar. Há um preconceito muito grande ainda em relação a este tipo de cinema que não trabalha com atores profissionais e que opta por um modelo de produção diferente do da ficção. Até mesmo nos júris do Instituto de Cinema, onde deveria haver maior informação e abertura, um realizador como eu é sempre classificado de forma inferior ao de um realizador de ficção. Nesse aspeto, o cinema em Portugal ainda é recebido com uma arte muito formatada, sempre sujeita a tipologias e classificações e isso prende-se com a tentativa de aproximar o cinema da indústria; torná-lo rentável economicamente. Só que, às vezes, há muita falta de visão e, filmes aparentemente menos convencionais, podem encontrar o seu público. Acho que os públicos se estão a transformar, não há um público mas sim vários públicos. Por alguma razão este filme, quando consegue ultrapassar o crivo de uma primeira seleção (em festivais por exemplo...), acaba por ser premiado e ter uma grande adesão do público.

Se dispusesse de todos os meios para tal, o que escolheria fazer nos próximos tempos?
Escolheria fazer exatamente o que faço, mas gostaria de ter financiamento para realizar o meu próximo filme na India.

“Pelas sombras” ganhou o prémio Signis Portugal-Árvore da Vida, da Igreja Católica, na edição de 2010 do IndieLisboa, festival internacional de cinema independente.

Por Margarida Ataíde, in SNPC 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Porque estou aqui

Sinto-me privilegiado por ter encontrado na Igreja um lugar vazio, feito à minha medida. É certo que tê-lo encontrado (ou encontrá-lo renovadamente, pois não é dado adquirido) foi também mérito da minha sede, do meu empenho, de não baixar os braços e achar, passivamente, que não seria possível. Passo a contextualizar: a comunidade onde vou à missa é pequena e acolhedora, e podia bem não o ser. Ao mesmo tempo, sentia um desejo grande de reflexão de vida cristã e encontrei um casal (heterosexual) que tinha a mesma vontade. Começámo-nos a reunir semanalmente numa pequena comunidade de oração e reflexão que, apesar de crítica, nos tem ajudado a sermos Igreja e a nela nos revermos. Paralelamente, face ao contínuo desencanto em relação a algumas posturas e pontos de vista de uma Igreja mais institucional e hierárquica, tive a graça de encontrar um grupo de cristãos homossexuais, que se reuniam com um padre regularmente, sem terem de se esconder ou de ocultar parte de si.

Sei que muitos cristãos homossexuais nunca pensaram sequer na eventualidade de existirem grupos cristãos em que se pudessem apresentar inteiros, quanto mais pensarem poder tomar parte e pôr em comum fé, questões, procuras, afectos e vidas.

Por tudo isto me sinto grato a Deus e me sinto responsável para tentar chegar a quem não teve, até agora, uma experiência tão feliz como a minha.

Este blogue também é teu

São benvindos os comentários, as perguntas, a partilha de reflexões e conhecimento, as ideias.

Envia o link do blogue a quem achas que poderá gostar e/ou precisar.

Se não te revês neste blogue, se estás em desacordo com tudo o que nele encontras, não és obrigado a lê-lo e eu não sou obrigado a publicar os teus comentários. Haverá certamente muitos outros sítios onde poderás fazê-lo.

Queres falar?

Podes escrever-me directamente para

rioazur@gmail.com

ou para

laioecrisipo@gmail.com (psicologia)


Nota: por vezes pode demorar algum tempo a responder ao teu mail: peço-te compreensão e paciência. A resposta chegará.

Os textos e as imagens

Os textos das mensagens deste blogue têm várias fontes. Alguns são resultados de pesquisas em sites, blogues ou páginas de informação na Internet. Outros são artigos de opinião do autor do blogue ou de algum dos seus colaboradores. Há ainda textos que são publicados por terem sido indicados por amigos ou por leitores do blogue. Muitos dos textos que servem de base às mensagens foram traduzidos, tendo por vezes sofrido cortes. Outros textos são adaptados, e a indicação dessa adaptação fará parte do corpo da mensagem. A maioria dos textos não está escrita segundo o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, pelo facto do autor do blogue não o conhecer de forma aprofundada.

As imagens que ilustram as mensagens são retiradas da Internet. Quando se conhece a sua autoria, esta é referida. Quando não se conhece não aparece nenhuma referência. Caso detectem alguma fotografia não identificada e conheçam a sua autoria, pedimos que nos informem da mesma.

As imagens são ilustrativas e não são sempre directamente associáveis ao conteúdo da mensagem. É uma escolha pessoal do autor do blogue. Há um critério de estética e de temática ligado ao teor do blogue. Espero, por isso, que nenhum leitor se sinta ofendido com as associações livres entre imagem e conteúdo.

Contribuidores

Amigos do blogue

Arquivo do blogue

Mensagens mais visitadas nesta semana

Categorias

11/9 (1) 2011 (1) 25 de Abril (1) 3ª idade (1) 5ª feira Santa (1) abandono (2) abertura (4) aborto (3) abraão (1) abraço (1) abusos (4) acção (3) aceitação (3) acolhimento (16) acompanhamento (3) açores (1) acreditar (1) acrobacia (1) activistas (2) actores (1) actos dos apostolos (1) actualidade (79) adão e eva (1) adesão (1) adeus (2) adilia lopes (2) administrativo (1) admiração (1) adolescentes (1) adopção (15) advento (10) afecto (3) africa (21) africa austral (1) africa do sul (8) agenda (1) agir (1) agressividade (1) água (2) alan gendreau (1) alegorias (1) alegria (8) aleluia (1) alemanha (14) alentejo (3) alerta (1) Alexandre Quintanilha (1) alimento (1) alma (4) almada (1) alteridade (1) alternativo (9) amadeo de sousa cardoso (1) amargura (1) américa (5) américa central (1) américa latina (10) AMI (1) amigo (3) amizade (3) amnistia internacional (2) amor (44) amplos (2) androginia (1) andrógino (1) angelo rodrigues (1) angola (2) animal (2) anjos (5) anselmo borges (1) anti-semitismo (1) antigo testamento (15) antónio ramos rosa (3) antropologia (1) anunciação (1) anuncio (1) ao encontro (1) aparência (1) aparições (2) API (1) apocalipse (1) apócrifos (1) apoio psicologico (1) apple (1) aprender (1) aproximar (1) ar livre (1) arabes (1) arabia saudita (2) arbitro (1) arco-iris (4) argélia (3) argentina (9) arquitectura (4) arrependimento (1) arte contemporanea (9) arte e cultura (303) arte sacra (45) artes circences (1) artes plásticas e performativas (29) artista (2) arvo pärt (5) ascensão (1) asia (9) asilo (2) assassinato (1) assembleia (1) assexuado (3) assexual (1) assexualidade (2) assintomático (1) associação do planeamento da família (1) associações (1) astronomia (1) ateliers (1) atenção (4) ateu (2) atletas (1) australia (6) autoconhecimento (1) autodeterminação de género (1) autoridade (2) avareza (1) ave-maria (2) azul (1) bach (4) bairro de castro (1) baixa (1) banco alimentar (3) bancos (1) bandeira (2) baptismo (1) baptizado (2) barcelona (4) barroco (3) basquetebol (1) beatificação (1) beatos (1) beckham (1) beijo (4) beja (1) bela e o monstro (1) beleza (15) bélgica (2) belgrado (1) belo (5) bem (4) bem estar (1) bem-aventuranças (1) ben sira (1) beneditinos (2) bento xvi (33) berlim (5) berlusconi (1) best-sellers (1) bethania (2) betos (1) bi (1) bíblia (39) bicha (1) bienal (1) bifobia (1) bigood (1) bill viola (1) biografias (21) biologia (4) bispos (9) bissexualidade (9) bizantina (1) bjork (1) blogue informações (43) blogues (2) blondel (1) boa nova (1) boa vontade (1) bom (1) bombeiro (1) bondade (1) bonecas (1) bonhoeffer (2) bose (3) botswana (1) boxe (2) braga (1) brasil (14) brinquedos (1) britten (1) budismo (2) bullying (5) calcutá (1) calendário (3) calvin klein (1) caminhada (1) caminho (5) campanha de solidariedade (5) campo de concentração (3) cancro (1) candidiase (1) candomblé (1) canonização (2) cantico dos canticos (3) canticos (2) canto (1) cantores (2) capela do rato (9) caraíbas (3) caravaggio (4) carcavelos (1) cardaes (1) carência (1) caridade (6) caritas (2) carlos de foucauld (1) carmelitas (2) carnaval (1) carta (14) carta pastoral (2) casa das cores (1) casais (11) casamento (59) casamento religioso (1) castidade (3) castigo (1) catalunha (1) catarina mourão (1) catecismo (3) catolica (1) catolicismo (24) causas (1) CD (1) cegueira (1) ceia (1) celebração (3) celibato (7) censos (3) censura (2) centralismo (1) cep (1) cepticismo (1) céu (1) chapitô (1) charles de foucauld (1) chatos (1) chechénia (1) chemin neuf (1) chicotada (1) chile (2) china (1) chirico (1) chorar (1) cidade (2) ciência (2) cig (1) cimeira (3) cinema (38) cinemateca (1) cinzas (1) circo (1) cisgénero (1) civismo (1) clamidia (1) clarissas (1) clausura (2) clericalismo (2) clero (4) cliché (1) co-adopção (3) coccopalmerio (1) cocteau (2) código penal (2) colaborador (1) colegialidade (1) colegio cardenalicio (2) colégio militar (1) colóquio (2) colossenses (1) combate (1) comemoração (1) comentário (1) coming out (1) comissão justiça e paz (1) comodismo (1) compaixão (2) companhia de jesus (10) comparação (1) complexidade (1) comportamento (2) composição (1) compromisso (1) comunhão (16) comunicação (1) comunidade (3) comunidade bahai (1) comunidades (2) conceitos (15) concertos (18) concílio (1) condenação (7) conferência (16) conferencia episcopal portuguesa (2) confessar (1) confiança (4) confissão (3) conformismo (1) conhecer (2) conjugal (1) consagrado (2) consciência (4) consumo (1) contabilidade (1) contemplação (4) contos (1) contracepção (1) convergencia (1) conversas (1) convivência (2) cópia (1) copta (1) coração (5) coragem (4) coreia do norte (1) cores (1) corintios (1) corita kent (1) coro (1) corpo (15) corpo de Deus (1) corporalidade (1) corrupção (1) corrymeela (1) criação (2) crianças (7) crime (8) criquete (1) crise (7) cristianismo (38) cristiano ronaldo (2) crítica (15) crossdresser (2) CRS (2) cruz (10) cuba (1) cuidado (1) culpa (3) culto (2) cupav (2) cura (2) curiosidade (6) cursos (4) CVX (1) dádiva (1) dador (2) dadt (8) daltonismo (1) dança (4) Daniel Faria (4) daniel radcliffe (2) daniel sampaio (1) danielou (1) dar (3) dar a vida (12) dar sangue (2) Dark Hourses (1) David (8) david lachapelle (3) defuntos (1) delicadeza (1) democracia (1) deportação (1) deputados (1) desassossego (3) descanso (1) descentralização (1) descobrir (1) desconfiança (1) descrentes (1) descriminalização (4) desejo (3) desemprego (1) desenho (12) deserto (2) desfile (1) desilusão (2) desordenado (1) despedida (1) desperdicio (1) desporto (32) detecção (1) Deus (41) dia (1) diácono (1) diálogo (8) diálogo interreligioso (7) diferenças (3) dificuldade (1) dignidade (2) dinamarca (1) dinamismo (1) dinheiro (1) direcção espiritual (1) direito (30) direitos humanos (51) direitos lgbt (7) discriminação (29) discussão (5) disforia de género (1) disney (1) disponibilidade (1) ditadura (1) diversidade (7) divindade (2) divisão (1) divorciados (2) divórcio (3) divulgação (1) doadores (1) doclisboa (1) documentários (3) documentos (1) doença (2) dogma (1) dois (1) dom (6) dom helder câmara (1) dom manuel martins (2) dom pio alves (1) doma (1) dominicanas (4) dominicanos (6) donativos (1) dons (1) dor (3) doutores da igreja (1) doutrina da fé (2) doutrina social (4) drag (2) drag queens (2) dst (2) e-book (1) eckart (2) eclesiastes (3) eco (1) ecologia (5) economia (5) ecos (1) ecumenismo (11) edith stein (3) educação (7) efeminação (1) efeminado (2) egipto (2) ego (1) egoismo (1) elite (1) emas (1) embrião (1) emoção (1) empatia (1) emprego (10) enciclica (2) encontro (15) ensaios (11) ensino (1) entrevista (11) entrudo (1) equipa (1) equipamentos (1) erotismo (3) escandalo (2) escândalo (2) esclarecimento (1) escócia (1) escolas (5) escolha (1) escravatura (1) escultura (7) escuta (5) espaço (3) espanha (9) espanto (1) espectáculos (1) espera (4) esperança (3) esperma (4) espermatezoide (1) espírito (3) Espírito Santo (4) espiritualidade (92) esquecer (1) estatística (13) estética (3) estoril (2) estrelas (1) estudos (20) estupro (1) eternidade (1) ética (3) etty hillesum (4) eu (4) EUA (37) eucaristia (9) eugenio de andrade (4) eurico carrapatoso (8) europa (44) eutanásia (1) evangelho (16) evangelização (2) évora (1) exclusão social (2) exegese (1) exemplo (2) exercicios espirituais (1) exército (12) exibicionismo (1) exodus (1) exposição (1) exposições (13) ezequiel (1) f-m (1) f2m (1) facebook (4) fado (1) falar (1) falo (2) faloplastia (1) família (34) famílias de acolhimento (1) famosos (18) fardo (1) fátima (4) (20) fé e cultura (3) fecundidade (1) feio (1) felicidade (1) feminino (2) feminismo (1) fernando pessoa (1) festa (2) festival (11) fidelidade (1) FIFA (4) figuras (11) filhos (1) filiação (1) filipinas (1) filmes (27) filosofia (4) finlandia (1) firenze (2) flagelação (1) flaubert (1) flauta (2) floresta (1) fome (3) fontana (1) força (1) forças armadas (2) formação (3) fotografia (37) fr roger de taizé (2) fragilidade (4) frança (9) francisco I (50) francisco tropa (1) françoise dolto (2) fraqueza (1) fraternidade (4) frederico lourenço (1) freira (3) freud (2) frio (1) fronteira (2) ftm (1) fundacao evangelizacao culturas (3) funeral (1) futebol (16) futebol americano (1) futuro (2) galileu (1) galiza (1) ganancia (1) gandhi (1) gastronomia (2) gaudi (2) gaudium et spes (2) gay (109) gay lobby (3) gaydar (1) gayfriendly (2) género (20) generosidade (1) genes (1) genesis (2) genética (4) genital (1) geografia (1) gestos (1) gilbert baker (1) glossário (15) gnr (2) goethe (1) gomorra (2) gonorreia (1) gozo (2) gratuidade (3) gravura (1) grécia antiga (3) grit (1) grün (1) grupos (1) gula (1) gulbenkian (3) habitação (1) haiti (1) harvey milk (1) havai (1) heidegger (1) helbig (1) henri de lubac (1) herança (1) hermafrodita (2) hermafroditismo (2) herpes genital (1) heterofobia (1) heterosexuais (4) heterosexualidade (2) heterossexismo (2) hierarquia (31) hildegarda de binden (1) hinos (1) hipocrisia (1) história (37) Hitler (1) holanda (5) holocausto (2) homem (12) homenagem (2) homilia (6) homoafetividade (7) homoerotismo (13) homofobia (62) homoparentalidade (3) homossexualidade (142) honduras (1) hormonas (1) hospitalidade (4) HPV (1) HSH (3) humanidade (5) humildade (6) humor (9) hysen (2) icone gay (9) icones (3) idade (1) idade média (2) idealização (1) identidade (13) ideologia do género (2) idolatria (1) idolos (1) idosos (1) ignorância (2) igreja (135) igreja anglicana (5) igreja episcopal (2) igreja luterana (2) igreja presbiteriana (1) igualdade (8) II guerra mundial (7) ILGA (10) iluminismo (1) iluminuras (1) ilustração (1) imigração (1) imitação (1) impaciencia (1) imprensa (53) incarnação (1) incerteza (1) inclusão (3) incoerência (1) inconsciente (1) indemnização (1) india (2) individuo (1) infalibilidade (1) infancia (1) infância (1) infecção (1) infertilidade (1) infinito (1) informática (1) ingenuidade (1) inglaterra (3) iniciativas (1) inimigos (3) injustiça (1) inocentes (1) inquérito (1) inserção social (1) instrumentos musicais (1) integração (1) intercessão (1) intercultural (2) interior (4) internacional (3) internet (1) interpretação (1) interrogação (1) intersexualidade (4) intolerância (2) inutilidade (1) investigação (4) irão (1) irlanda (5) irmão (1) irreverencia (1) isaias (2) islandia (1) islão (12) israel (2) IST (3) italia (4) jacob (2) jacques berthier (1) james alison (4) james martin (4) jantar (1) japão (1) jardim (1) jeremias (1) jerusalem (1) jesuitas (2) jesus cristo (38) JMJ (7) João (7) joao climaco (1) joao paulo II (8) joão XXIII (2) job (1) jogos (2) jogos olimpicos (1) Jonatas (5) jorge sousa braga (1) jornadas (1) jornalismo (2) jovens (6) judaismo (9) judas (4) jung (2) justiça (21) juventude (5) kitsch (3) ladrão (1) lady Gaga (2) lagrimas (2) laicidade (2) lançamento (1) lazer (2) LD (1) lectio divina (1) lei (24) lei da blasfémia (1) leigos (3) leigos para o desenvolvimento (1) leiria (1) leituras (37) leonardo da vinci (1) lésbica (49) Levinas (1) levítico (2) lgbt (70) lgbti (17) liberdade (7) libertinagem (1) liderança (3) limpeza (1) linguagem (1) lisboa (80) literatura (3) lituania (1) liturgia (4) livrarias (2) livros (35) ljungberg (2) londres (1) Lopes-Graça (1) lourdes castro (4) loures (1) louvor (2) lua (1) lubrificante (1) lucas (4) lucian freud (1) luta (5) luto (3) luxemburgo (1) luz (1) m-f (1) M2F (1) machismo (2) macho (2) madeleine delbrel (1) madre teresa de calcuta (7) madureira (1) mães (6) mafra (1) magdala (2) magnificat (8) magrebe (1) mal (2) malasia (2) man (1) mandamentos (1) manifestação (1) manuel alegre (1) manuel clemente (2) manuel neuer (2) maori (1) mãos dadas (1) marcelo rebelo de sousa (1) marcha (5) marcos (1) Maria (13) maria de lourdes belchior (1) maria madalena (2) maria-rapaz (1) marinheiros (1) marrocos (2) martini (2) mártir (3) martírio (2) masculinidade (9) mastectomia (1) matéria (1) maternidade (1) mateus (6) matrimónio (1) mecenas (2) media (2) mediação (1) médicos (2) medio oriente (2) meditacao (7) medo (9) meia-idade (1) membro (1) memória (1) memorial (1) menino (2) menores (2) mensagem (1) menstruação (1) mentira (1) mercado (1) mesa (1) mestrado (1) metafora (1) metanoia (1) méxico (3) michael stipe (2) Michelangelo (2) Michele de Paolis (2) micronesia (1) miguel esteves cardoso (2) milão (1) mimesis (1) mineiros (2) minimalismo (1) ministerio publico (1) minorias (1) minorias étnicas (1) mira schendel (1) misericordia (3) misericórdia (1) misoginia (1) missa (7) missão (4) missionarias da caridade (1) missionário (3) mistério (2) mística (5) mitcham (2) mito (1) mitologia (2) mitos (1) moçambique (3) moda (5) modelos (8) modernidade (2) moina bulaj (1) moldavia (1) monge (3) monoparentalidade (1) montenegro (1) monumentos (1) morada (1) moral (6) moralismo (1) morte (25) mosteiro (1) movimento civico (1) movimento gay (1) MSV (1) MTF (1) mudança (1) mudança de sexo (5) mulheres (8) mundial (3) mundo (147) munique (1) musculos (1) museus (11) musica (1) música (86) musical (1) namoro (3) nan goldin (1) não crentes (1) não-violência (1) narciso (2) natação (1) natal (24) natividade (3) NATO (3) natureza (5) nauru (1) nazis (5) newman (1) nigeria (1) nobel (1) nómada (1) nome (4) nomeação (1) nós somos igreja (1) nossa senhora (1) nota imprensa (1) notícias (1) nova iorque (2) nova zelandia (2) novelas (1) novo testamento (5) nudez (18) núncio apostólico (1) NY (1) obediência (1) objectivos milénio (1) obra (14) obstáculos (1) oceania (1) ocupação (1) ódio (5) ofensa (1) olhar (2) olimpicos (2) omnissexualidade (1) ONU (13) opinião (147) oportunidades (3) optimismo (2) opus gay (2) oração (53) oração comum (2) orar (3) ordem de cister (1) ordem dos advogados (1) ordem dos médicos (6) ordenação de gays (2) ordenação de mulheres (4) orgão (3) orgia gay (1) orgulho gay (7) orientação (12) oriente (1) origem (2) orlando cruz (1) ortodoxia (2) ousar (1) ovideo (1) ovocitos (1) ovulo (1) paciencia (1) pacífico (3) pacifista (1) padraig o tuama (1) padre (21) padre antónio vieira (1) padres (1) padres casados (1) padres do deserto (2) pai (3) pai-nosso (2) pais (6) pais de gales (2) paixão (11) palácios (1) palavra (7) palestina (1) palestra (1) paneleiro (1) pansexualidade (1) papas (31) papel da mulher (2) papiloma (1) paquistão (1) paradas (3) parágrafo 175 (2) paraíso (3) parcialidade (1) parentalidade (3) paris (7) parlamento (3) participação (2) partilha (8) pascal (3) páscoa (2) pasolini (2) pastoral homossexual (25) pastoral trans (1) pastoral universitária (2) paternidade (2) patinagem (3) patio dos gentios (2) patriarca (1) património (4) paul claudel (3) paulo (3) pausanias (1) paz (9) pecado (7) pederasta (1) pedir (1) pedofilia (9) pedra (1) pena (4) penitência (3) pensamentos (2) pensão (1) pentecostes (2) perdão (4) peregrino russo (1) perfeição (2) pergunta (1) periferias (2) perigo (1) perseguição (1) perseverança (1) pessimismo (2) pessoa (8) petição (1) piano (1) piedade (1) pina bausch (1) pink narcisus (1) pintura (14) piolho-da-pubis (1) pistas (1) pluralidade (1) pobreza (10) poesia (52) poitiers (1) polémica (3) poliamor (1) policia (3) polissexualidade (1) política (48) polo aquatico (1) polónia (1) pontes (1) POP art (1) população (1) pornografia (1) porto (8) porto rico (1) portugal (108) povo de Deus (3) prática (2) prazer (4) prece (3) preconceito (2) prémios (12) presença (1) presépios (4) preservativo (12) presidente (3) prevenção (1) pride (1) primavera (3) principes (1) prisão (1) procriacao (3) procura (2) professores (1) projecto (1) prostituição (3) prostituta (1) protagonista (1) provisório (1) próximo (5) psicanálise (1) psicologia (16) psicoterapia (1) psiquiatria (1) publicidade (2) pudor (1) qatar (4) quaintance (1) quakers (1) quaresma (14) queer (6) quenia (1) questionário (1) quotidiano (1) racial (1) racismo (3) radcliffe (2) rahner (1) rainhas (1) ranking (1) raul brandão (1) rauschenberg (1) razão (2) realidade (5) reciclar (5) recolha de alimentos (1) recolhimento (1) reconciliação (3) rede ex aequo (8) redes sociais (3) refeição (1) reflexão (49) reforma (3) refugiados (1) registo civil (2) reino de Deus (2) reino unido (13) reis (9) relação (15) relatórios (2) religião (15) religion today (1) religiosidade (3) religioso (2) REM (2) Renascimento (1) repetição (1) repouso (1) repressão (1) reproducao (2) república (1) republica checa (1) respeito (2) respiração (1) responsabilidade (2) ressurreição (1) retrato (3) reutilizar (5) rezar (2) Richard Zimler (1) ricky martin (4) ricos (1) rilke (4) rimbaud (1) riqueza (1) rival (1) rodin (1) roma (3) romance (1) romanos (1) romenia (1) rosa (6) rosto (1) rotina (1) roupa interior (1) rufus wainwright (5) rugby (4) rui chafes (1) rumos novos (4) russia (4) s. bento (7) s. valentim (1) sabedoria (2) sacramentos (2) sacro (1) sagrada família (3) sagrado (6) sahara ocidental (3) sair (2) sair do armario (18) salmos (5) salvação (5) Samuel (1) sanção (1) sangue (1) santa catarina (1) santa cecilia (1) santa sé (2) santa teresa de avila (2) santarem (4) santas (1) santegidio (1) santidade (7) santo agostinho (3) santos (16) sao francisco (5) sao joao (1) São José (1) sao juliao (1) sao tomas de aquino (1) sao tome e principe (1) sapatas (1) sapatos (1) saramago (1) sartre (1) saúde (23) Saul (1) seamus heaney (1) sebastião (9) séc XX (1) sedução (1) segurança (2) sem-abrigo (1) semana santa (4) semen (1) seminários (4) sensibilidade (1) sensibilização (1) sentença (1) sentidos (4) sentimentos (2) ser (2) ser humano (2) ser solidário (44) sermões (1) serralves (1) servia (2) serviço (7) setúbal (3) sexismo (2) sexo (8) sexo biológico (2) sexo seguro (2) sexualidade (22) sicilia (1) sida (19) sífilis (1) sightfirst (1) silêncio (9) símbolos (2) simone weil (2) simplicidade (3) singapura (1) singularidade (1) sínodo (5) sintomas (1) sintomático (1) sobrevivente (1) sociedade (85) sociologia (1) sodoma (2) sodomia (2) sofrimento (12) solicitude (1) solidão (9) solidariedade (3) sondagem (10) sonhos (2) Sophia (8) st patrick (1) stockhausen (1) stonewall (2) suécia (4) suicidio (5) surrealismo (1) susan sontag (1) taborda (1) tabu (2) taizé (6) talentos (1) tapeçaria (1) tavener (6) TDOR (1) teatro (14) teatro do ourives (1) tecnologia (3) tel aviv (1) televisão (2) templo (1) tempo (4) temps d'images (1) tenebrismo (1) tentação (1) teologia (38) teologia da libertação (2) teresa benedita da cruz (1) teresa forcades (1) terras sem sombra (1) terrorismo (1) teste (1) testemunhos (35) textos (1) the king's singers (1) Thibirine (2) thomas merton (1) tibães (1) timor (1) timoteo (1) tocar (1) tolentino (12) tolerância (5) tortura (1) trabalho (5) traição (1) transexualidade (21) transfobia (6) transformista (1) transgender (8) transgeneridade (1) transgéneros (3) travesti (3) travestismo (3) trevor hero (1) triângulo (5) tribunal (4) tricomoniase (1) Trindade (2) trinidad e tobago (1) troca (1) tu (1) turquia (3) ucrania (2) uganda (5) unção (1) UNESCO (1) união (15) único (1) unidade (7) unitaristas (1) universal (1) universidade (2) universo (1) utero (1) útil (1) vaidade (3) valores (2) vanitas (1) vaticano (42) vaticano II (12) velhice (3) veneza (3) vento (1) verdade (8) vergonha (1) via sacra (8) vício (1) vida (59) vida dupla (1) vidas consagradas (3) video (32) vigarice (1) vih/hiv (19) vingança (1) vintage (1) violação (4) violência (9) violência doméstica (1) VIP (1) virgindade (1) viril (2) virilidade (1) vírus (1) viseu (1) visibilidade (2) visitação (1) visitas (7) visões (1) vitimas (2) vitrais (1) viver junto (2) vocação (5) voluntariado (10) von balthasar (2) vontade (1) voyeur (1) warhol (1) whitman (1) wiley (1) wrestling (1) xenofobia (3) youtube (1) yves congar (1)

As nossas visitas