Pesquisar neste blogue

A diversidade na Igreja

"A casa do meu Pai tem muitas moradas", diz-nos Jesus no evangelho.

A unidade na diversidade não é sempre aparente na Igreja enquanto povo de Deus, mas é uma realidade em Deus e uma presença na fé cristã desde a sua origem. A Palavra de Deus não é partidária, elitista e exclusiva. O Reino de Deus é como uma árvore que estende os ramos para dar abrigo a todos os pássaros do céu. Cristo não morreu na cruz para salvar uma mão cheia de cristãos. Até o Deus Uno encerra em si o mistério de uma Trindade.

A Palavra de Deus é inequívoca e só pode levar à desinstalação, à abertura ao outro, e a recebê-lo e amá-lo enquanto irmão ou irmã. Ninguém fica de fora, nem mesmo - se tivessemos - os inimigos.

Muitos cristãos crêem nesta Igreja, nesta casa do Pai, corpo de Cristo, templo do Espírito Santo. Mas como esquecer que muitos se sentem "de fora" por se verem rejeitados, amputados e anulados, e afastam-se por ninguém lhes ter mostrado que há um lugar para cada um, com a totalidade do seu ser?

Um blogue para cristãos homossexuais que não desistiram de ser Igreja

Porquê este blogue?

Este blogue é a partilha de uma vida de fé e é uma porta aberta para quem nela quiser entrar. É um convite para que não desistas: há homossexuais cristãos que não querem recusar nem a sua fé nem a sua sexualidade. É uma confirmação, por experiência vivida, que há um lugar para ti na Igreja. Aceita o desafio de o encontrares!

Este blogue também é teu, e de quem conheças que possa viver na carne sentimentos contraditórios de questões ligadas à fé e à orientação sexual. És benvindo se, mesmo não sendo o teu caso, conheces alguém que viva esta situação ou és um cristão que deseja uma Igreja mais acolhedora onde caiba a reflexão sobre esta e outras realidades.

Partilha, pergunta, propõe: este blogue existe para dar voz a quem normalmente está invisível ou mudo na Igreja, para quem se sente só, diferente e excluído. Este blogue não pretende mudar as mentalidades e as tradições com grande aparato, mas já não seria pouco se pudesse revelar um pouco do insondável Amor de Deus ou se ajudasse alguém a reconciliar-se consigo em Deus.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Idolatria nos dias de hoje

Uma cultura cheia de ídolos

Para as pessoas hodiernas, a palavra idolatria evoca imagens de povos primitivos a inclinarem-se diante de estátuas. O livro neotestamentário dos Atos dos Apóstolos contém vivas descrições das culturas do antigo mundo greco-romano. Cada cidade adorava as suas divindades preferidas e construía santuários à volta de imagens de culto. Quando Paulo foi a Atenas, viu que esta estava literalmente cheia de imagens dessas divindades (Atos 17,16). O Pártenon de Atenas ofuscava tudo o resto, mas havia outras divindades representadas em cada espaço público. Havia Afrodite, a deusa da beleza; Ares, o deus da guerra; Ártemis, a deusa da fertilidade e da riqueza; Vulcano, o deus forjador e do fogo.

A nossa sociedade contemporânea não é fundamentalmente diferente dessas sociedades antigas. Cada cultura é dominada pela sua própria série de ídolos. Cada uma tem os seus «sacerdócios», os seus totens e os seus rituais. Cada uma tem os seus santuários - quer se trate de torres de escritórios, de spas e ginásios, de estúdios ou de estádios -, onde têm de se fazer sacrifícios, a fim de obter as bênçãos de uma boa vida e de afastar as catástrofes. Não serão esses os deuses da beleza, do poder, do dinheiro e da realização pessoal, precisamente aquelas coisas que assumiram proporções míticas na nossa vida individual e na nossa sociedade? Podemos não nos ajoelhar fisicamente frente à estátua de Afrodite, mas muitas jovens mulheres de hoje caem na depressão e em distúrbios alimentares devido a uma preocupação obsessiva com a sua imagem física. Podemos não queimar incenso a Ártemis, mas, quando o dinheiro e a carreira são elevados a proporções cósmicas, fazemos uma espécie de «sacrifício de crianças», negligenciando a família e a comunidade para alcançar um posto mais elevado na empresa, e para ganhar mais dinheiro e prestígio.

Depois de o governador de Nova Iorque, Eliot Spitzer, ter destruído a sua carreira, devido ao seu envolvimento numa rentabilíssima rede de prostituição, David Brooks observou que a nossa cultura produziu uma classe de altos executivos com «desequilíbrios, no estabelecimento de relações». Têm aptidões sociais para se relacionarem verticalmente, para melhorar a sua posição junto de mentores e chefes, mas carecem das mesmas para estabelecer laços genuínos, em termos de relações horizontais, com os cônjuges, os amigos e a família. «Muitos candidatos às presidenciais afirmam que se candidatam em prole das famílias, embora toda a sua vida tenha sido gasta em campanhas, longe da sua própria família.» À medida que os anos passam, chegam à tremenda conclusão de que «a sua grandeza não é suficiente e de que se sentem sozinhos». Muitos dos seus filhos e cônjuges vivem à margem deles. Eles procuram, então, curar essa ferida. Envolvem-se em aventuras amorosas ou tomam outras medidas desesperadas para medicar o seu vazio interior. Depois, vem a rutura familiar ou o escândalo, ou ambos.

Sacrificaram tudo ao deus do êxito, mas não foi suficiente. Na Antiguidade, as divindades eram sedentas de sangue e difíceis de apaziguar. Hoje, continua a ser da mesma maneira.

Ídolos do coração

Durante o boom do ponto.com [dot.com] e do setor imobiliário, e da euforia bolsista dos últimos anos, teria sido difícil tornar este assunto convincente. Contudo, a grande derrocada económica de 2008-2009 pôs a nu aquilo a que hoje chamamos «a cultura da ganância». Há muito tempo, S. Paulo escreveu que a ganância não era apenas uma atitude desaconselhável: «A ganância é idolatria» (Colossenses 3,5). O dinheiro, advertia ele, pode assumir atributos divinos e, nesse caso, a nossa relação com ele assemelha-se a uma prestação de culto e homenagem.

O dinheiro pode transformar-se numa dependência espiritual, e, como todas as dependências, oculta, das suas vítimas, as suas verdadeiras proporções. Nós vamos correndo riscos mais numerosos e maiores para obter uma satisfação, a partir daquilo por que ansiamos, até chegarmos à rutura. Quando começamos a recuperar, perguntamos: «Em que estávamos nós a pensar? Como pudemos ser tão cegos?» Acordamos como pessoas com ressaca, que mal se conseguem lembrar da noite anterior. Mas porquê? Porque é que agimos de forma tão irracional? Por que razão perdemos completamente de vista aquilo que está certo?

A resposta da Bíblia é que o coração humano é uma «fábrica de ídolos».

Quando a maioria das pessoas pensa em «ídolos», tem em mente estátuas... ou, então, a próxima estrela pop ungida por Simon Cowell [o criador dos programas televisivos Ídolos ou Portugal tem talento]. Embora o culto tradicional aos ídolos ainda ocorra em muitos lugares do mundo, o culto interno aos ídolos, no nosso coração, é universal. Em Ezequiel 14,3, Deus diz, referindo-se aos anciãos de Israel: «Estas gentes puseram os seus ídolos no seu coração.» Tal como nós, os anciãos devem ter questionado esta acusação: «Ídolos? Mas que ídolos? Eu não estou a ver ídolos nenhuns.» Deus estava a dizer que o coração humano pega em coisas boas, como uma carreira bem sucedida, o amor, bens materiais, e até a família, e transforma-os em realidades últimas. O nosso coração deifica essas coisas como sendo o centro da nossa vida, porque, em nosso entender, elas poderão dar-lhe sentido e segurança, proteção e autorrealização, quando as alcançamos.

o tema central do enredo d'O Senhor dos Anéis é o Anel do Poder do tenebroso Lorde Sauron, que corrompe quem quer que tente utilizá-lo, por muito boas que sejam as suas intenções. O anel é aquilo a que o professor Tom Shippey chama «um amplificador psíquico», que pega nos desejos mais profundos do coração e os amplia, fazendo-os assumir proporções ídolátricas. Alguns dos personagens bons do livro querem libertar os escravos, preservar o território nacional ou castigar os malfeitores com penas justas. Tudo isso são objetivos bons. O Anel, porém, fá-los desejar seja o que for para alcançá-los, sem olhar a meios. Transforma aquilo que era bom num absoluto, que derruba qualquer outra fidelidade ou valor. Quem usa o anel torna-se, cada vez mais, escravo e dependente do mesmo, pois um ídolo é uma coisa sem a qual nós não conseguimos viver. Temos de tê-lo e, por isso, ele impele-nos a quebrar regras que outrora respeitávamos, a fazer mal a outras pessoas e, até, a nós próprios, só para o obtermos. Os ídolos são dependências espirituais que conduzem a um mal terrível, tanto no romance de Tolkien como na vida real.

Qualquer coisa pode ser um ídolo

Os momentos culturais, como aquele que estamos a viver, dão-nos uma oportunidade. Hoje, há muitas pessoas que acolhem melhor a admoestação bíblica de que o dinheiro se pode tornar muito mais do que dinheiro. Pode transformar-se num poderoso deus que altera a vida e molda a cultura, num ídolo que despedaça os corações dos seus adoradores. A notícia menos boa é que nós estamos tão fixos no problema da cobiça que, habitualmente, vemos «ali, naqueles ricaços», que não nos apercebemos da verdade mais fundamental: que qualquer coisa pode ser um ídolo, e já tudo foi idolatrado.

O código moral mais famoso do mundo é o Decálogo, os Dez Mandamentos. O primeiro de todos é: «Eu sou o Senhor, teu Deus ... não haverá para ti outros deuses na minha presença» (Êxodo 20,3). Isso suscita uma pergunta natural: mas que significa isso de «outros deuses»? A resposta surge de imediato: «Não farás para ti imagem esculpida nem representação alguma do que está em cima, nos céus, do que está em baixo, na terra, e do que está debaixo da terra, nas águas. Não te prostrarás diante dessas coisas e não as servirás ... » (Êxodo 20,4-5). Isso inclui tudo o que existe no mundo! A maior parte das pessoas sabe que, do dinheiro, se pode fazer um deus. A maioria também sabe que, do sexo, também se pode fazer um deus. Contudo, qualquer coisa na vida pode servir de ídolo, de alternativa a Deus, de falso deus.

Ouvi, em data recente, o relato de um oficial de campo do exército, que usava de uma disciplina física e militar tão exagerada com as suas tropas, que lhes quebrava o estado de espírito. Isso levou a uma rutura de comunicações durante o combate, que resultou em baixas. Conheci uma mulher que tivera vários períodos de pobreza na sua infância e juventude. Em adulta, ansiava tanto por ter segurança financeira, que menosprezou muitas boas relações, com algum potencial, para casar com um homem rico a quem não amava realmente. Isso levou a um rápido divórcio e a todas as dificuldades económicas que ela tanto temia. Ao que parece, alguns dos principais jogadores da liga de baseball, na ânsia não só de jogar bem, mas de chegar ao Passeio da Fama, tomaram esteróides e outras drogas. Como resultado, o seu corpo ficou mais alquebrado e a sua reputação mais manchada do que se tivessem querido ser bons, em vez de fabulosos. As próprias coisas, sobre as quais estas pessoas tentaram construir a sua felicidade, transformaram-se em poeira nas suas mãos, porque eles tinham baseado toda a sua felicidade nelas. Em cada um desses casos, uma coisa boa, dentre muitas outras, foi transformada numa realidade suprema, de tal modo que as suas exigências ultrapassaram todos os valores concorrentes. No entanto, os falsos deuses desapontam sempre, e, muitas vezes, de forma destrutiva.

Será errado querer tropas disciplinadas, segurança financeira ou proezas atléticas? De maneira nenhuma. Mas estas histórias apontam para um erro comum das pessoas, quando ouvem falar do conceito bíblico de idolatria. Pensamos que os ídolos são coisas más, mas isso quase nunca é verdade. Quanto maior for o bem, mais probabilidade temos de esperar que ele satisfaça as nossas necessidades e esperanças mais profundas. Qualquer coisa pode servir de falso deus, sobretudo, as melhores coisas da vida.

Como fazer um Deus

O que é um ídolo? É qualquer coisa mais importante para nós do que Deus, qualquer coisa que absorve o nosso coração e a nossa imaginação mais do que Deus, qualquer coisa da qual tentamos obter aquilo que só Deus nos pode dar.

Um falso deus é uma coisa tão central e essencial, para a nossa vida, que, se a perdermos, a nossa vida perderia praticamente todo o seu sentido. Um ídolo ocupa uma posição de controlo tão forte no nosso coração, que podemos gastar a maior parte da nossa paixão e energia, dás nossos recursos emocionais e financeiros nela, sem hesitar. Pode ser a família e os filhos, ou a carreira e o ganhar dinheiro, ou a realização pessoal e a aclamação por parte da crítica, ou salvar «o rosto» e a posição social. Pode ser uma relação romântica, a aprovação dos pares, a competência e a aptidão, circunstâncias de segurança e conforto, a própria beleza ou inteligência, uma grande causa política ou social, a moralidade e a virtude pessoal ou, até, o êxito no ministério cristão. Quando o sentido da nossa vida é orientar a vida de outra pessoa, podemos chamar-lhe «codependência», mas, na realidade, trata-se de idolatria. Um ídolo é tudo aquilo para o qual olhamos e dizemos, no mais íntimo do nosso coração: «Se eu tiver aquilo, sentirei que a minha vida tem sentido e saberei que eu próprio valho alguma coisa; então, sentir-me-ei importante e seguro.» Há muitas formas de descrever esse tipo de relação com essa coisa, mas a melhor talvez sejaculto.

Os antigos pagãos não estavam a fantasiar, quando representavam praticamente tudo como deuses). Tinham deuses do sexo, deuses do trabalho, deuses da guerra, deuses do dinheiro, deuses da nação ... pelo simples facto de que qualquer coisa pode ser um deus que governa e serve como divindade no coração de uma pessoa ou na vida de um povo. Por exemplo, a beleza física é uma coisa agradável, mas, se nós a «deificarmos», se fizermos dela a coisa mais importante na vida de uma pessoa ou de uma cultura, então, teremos Afrodite, e não apenas a beleza. Teremos pessoas, e uma cultura inteira, atormentando-se por causa do aspeto, gastando quantias exorbitantes de tempo e dinheiro pela beleza e avaliando, disparatadamente, o caráter das pessoas com base nisso. Se qualquer coisa se torna mais fundamental do que Deus para a nossa felicidade, sentido da vida e identidade, essa coisa é um ídolo.

O conceito bíblico de idolatria é uma ideia extremamente sofisticada, que integra categorias intelectuais, psicológicas, sociais, culturais e espirituais. Existem ídolos pessoais, como o amor romântico e a família; ou o dinheiro, o poder e a realização; ou o acesso a determinados círculos sociais; ou a dependência emocional dos outros em relação a nós; ou a saúde, a boa forma física e a beleza exterior.

Muitos procuram nessas coisas a esperança, o sentido e a autorrealização que só Deus lhes pode dar.

Há ídolos culturais, como o poder militar, o progresso tecnológico e a prosperidade económica. Os ídolos das sociedades tradicionais incluem a família, o trabalho árduo, o dever e a virtude moral, ao passo que os das culturas ocidentais são a liberdade individual, a auto descoberta, a riqueza pessoal e a autorrealização. Todas estas coisas, que são boas, podem assumir, e assumem de facto, umas dimensões e um poder desproporcionados no âmbito da sociedade. Prometem-nos segurança, paz e felicidade, desde que nós baseemos a nossa vida nelas.

Também pode haver ídolos intelectuais, muitas vezes chamados ideologias. Por exemplo, os intelectuais europeus de finais do século XIX e princípios do século XX convenceram-se profundamente da visão de Rousseau da bondade inata da natureza humana, de que todos os nossos problemas sociais se deviam a uma fraca educação e socialização. A Segunda Guerra Mundial veio dissipar essa ilusão. Beatrice Webb, a quem muitos consideram a arquiteta do moderno estado-providência da Grã-Bretanha, escreveu:

«Algures no meu diário - terá sido em 1890? - escrevi: "Apostei tudo na bondade essencial da natureza humana..." [Agora, trinta e cinco anos mais tarde, percebo] quão permanentes são os impulsos e os instintos maus do homem, quão pouco se pode esperar conseguir mudar alguns deles - como, por exemplo, [quanto à] atração pela riqueza e pelo poder - mediante qual­quer mudança da máquina [social] ... Não há conhecimentos ou ciência que ajudem a ultrapassá-los, a menos que consigamos vergar os maus impulsos.»

Em 1920, no seu livro Outline of History [História Universal], H. G. Wells elogiou a crença no progresso humano. Em 1933, em The Shape of Things to Come,assombrado com o egoísmo e a violência das nações europeias, Wells acreditava que a única esperança era que os intelectuais assumissem o controlo e conduzissem um programa educacional obrigatório, que defendesse sobretudo a paz, a justiça e a equidade. Em 1945, em A Mind at the End of Its Tether, escreveu: «O homo sapiens, como pretendeu chamar-se, está ... a chegar ao fím.» Que aconteceu a Wells e a Webb? Eles tinham pegado numa verdade parcial e tinham-na transformado numa verdade absoluta, segundo a qual tudo poderia ser explicado e melhorado. «Apostar tudo» na bondade humana significava tê-la colocado no lugar de Deus.

Também existem ídolos, valores absolutos não negociáveis, em cada campo vocacional. No mundo dos negócios, a autoexpressão é suprimida pelo valor e o proveito últimos. No mundo da arte, porém, é ao contrário. Tudo é sacrificado à autoexpressão, e isso faz-se em nome da redenção. Pensa-se, sobretudo, que é disso que a raça humana precisa. Há ídolos por toda a parte.

Ama, confia e obedece

A Bíblia usa três metáforas básicas para descrever como as pessoas se relacionam com os ídolos do seu coração. Elas amam os ídolos, confiam nos ídolos e obedecem aos ídolos.

Por vezes, a Bíblia fala dos ídolos, utilizando a metáfora esponsal. Deus deveria ser o nosso verdadeiro Esposo, mas, quando nós desejamos e nos comprazemos mais noutras coisas do que em Deus, cometemos adultério espiritual. O romance ou o êxito podem tomar-se «falsos amantes» que prometem fazer-nos sentir amados e apreciados. Os ídolos cativam a nossa imaginação e podemos identificá-los olhando para os nossos «devaneios». O que é que gostamos de imaginar? Quais são os nossos sonhos preferidos? Nós olhamos para os nossos ídolos em busca de amor, esperando que eles nos deem valor e um sentimento de beleza, importância e mérito.

A Bíblia refere-se, com frequência, aos ídolos, utilizando a metáfora religiosa. Deus deveria ser o nosso verdadeiro Salvador, mas nós esperamos, ao invés, que a realização pessoal ou a prosperidade financeira nos deem a paz e a segurança de que precisamos. Os ídolos transmitem-nos um sentimento de que conseguimos controlar a nossa vida, e podemos identificá-los, analisando ainda os nossos pesadelos. De que é que temos mais medo? Qual é a coisa que, se a perdêssemos, a nossa vida deixaria de ter sentido? Fazemos «sacrifícios» para aplacar e agradar aos nossos deuses, pois acreditamos que eles nos protegerão. Esperamos que os nossos ídolos nos transmitam um sentimento de confiança e segurança.

A Bíblia também se refere aos ídolos, utilizando uma metáfora política. Deus deveria ser o nosso único Amo e Senhor, mas tudo aquilo que nós amamos, e em que con­fiamos, é a isso que também servimos. Tudo aquilo que se transforma, para nós, em algo mais importante e insubstituível do que Deus, toma-se um ídolo escravizante. Neste paradigma, podemos localizar os ídolos, analisando as nossas emoções mais inflexíveis. O que é que nos provoca ira, ansiedade ou desânimo mais profundo? O que é que nos tiraniza com um sentimento de culpa que não conseguimos dissipar? Os ídolos controlam-nos, pois sentimos que temos de os ter, caso contrário, a vida perderia sentido.

«Tudo o que nos controla é nosso dono e senhor. A pessoa que procura o poder é controlada pelo poder. A pessoa que procura aceitação é controlada pelas pessoas a quem quer agradar. Nós não nos controlamos a nós próprios. Somos controlados pelo dono das nossas vidas.»

Aquilo que muita gente chama «problemas psicológicos» são simples questões de idolatria. O perfecionismo, a dependência do trabalho, a indecisão crónica, a necessidade de controlar a vida dos outros, tudo isso deriva de transformarmos as coisas boas em ídolos, que depois nos arrastam para o descalabro, quando tentamos apaziguá-los. Os ídolos dominam as nossas vidas.

A oportunidade do desencanto

(...)
Embora pensemos que vivemos num mundo secular, os ídolos, esses deuses cintilantes da nossa época, detêm o direito da confiança funcional do nosso coração. Com a economia global num estado deplorável, muitos dos ídolos que adorámos, durante anos, ruíram à nossa volta. É uma grande oportunidade. Numa palavra, estamos a sentir «desencanto». Nas histórias antigas, isso significava que o feitiço lançado pelo feiticeiro malvado fora quebrado e que tínhamos hipóteses de escapar. Tais momentos acontecem-nos como indivíduos, quando algum grande empreendimento, atividade ou pessoa em quem tínhamos posto as nossas esperanças não consegue dar-nos aquilo que (em nosso entender) nos tinha prometido. Só muito raramente isso acontece a uma sociedade inteira.

O caminho a seguir para escapar ao desespero consiste em discernir os ídolos do nosso coração e da nossa cultura. Mas isso não será suficiente. A única maneira de nos libertarmos da influência destrutiva dos falsos deuses é regressar ao único Deus verdadeiro. O Deus vivo, que se revelou tanto no Monte Sinai como na Cruz, é o único Senhor que, se o encontrarmos, poderá saciar-nos de verdade e que, se falharmos, poderá perdoar-nos de verdade.

Esta transcrição omite as notas de rodapé.



Timothy Keller
In Falsos deuses, ed. Paulinas
publicado in SNPC a 14.08.13

Sem comentários:

Enviar um comentário

Porque estou aqui

Sinto-me privilegiado por ter encontrado na Igreja um lugar vazio, feito à minha medida. É certo que tê-lo encontrado (ou encontrá-lo renovadamente, pois não é dado adquirido) foi também mérito da minha sede, do meu empenho, de não baixar os braços e achar, passivamente, que não seria possível. Passo a contextualizar: a comunidade onde vou à missa é pequena e acolhedora, e podia bem não o ser. Ao mesmo tempo, sentia um desejo grande de reflexão de vida cristã e encontrei um casal (heterosexual) que tinha a mesma vontade. Começámo-nos a reunir semanalmente numa pequena comunidade de oração e reflexão que, apesar de crítica, nos tem ajudado a sermos Igreja e a nela nos revermos. Paralelamente, face ao contínuo desencanto em relação a algumas posturas e pontos de vista de uma Igreja mais institucional e hierárquica, tive a graça de encontrar um grupo de cristãos homossexuais, que se reuniam com um padre regularmente, sem terem de se esconder ou de ocultar parte de si.

Sei que muitos cristãos homossexuais nunca pensaram sequer na eventualidade de existirem grupos cristãos em que se pudessem apresentar inteiros, quanto mais pensarem poder tomar parte e pôr em comum fé, questões, procuras, afectos e vidas.

Por tudo isto me sinto grato a Deus e me sinto responsável para tentar chegar a quem não teve, até agora, uma experiência tão feliz como a minha.

Este blogue também é teu

São benvindos os comentários, as perguntas, a partilha de reflexões e conhecimento, as ideias.

Envia o link do blogue a quem achas que poderá gostar e/ou precisar.

Se não te revês neste blogue, se estás em desacordo com tudo o que nele encontras, não és obrigado a lê-lo e eu não sou obrigado a publicar os teus comentários. Haverá certamente muitos outros sítios onde poderás fazê-lo.

Queres falar?

Podes escrever-me directamente para

rioazur@gmail.com

ou para

laioecrisipo@gmail.com (psicologia)


Nota: por vezes pode demorar algum tempo a responder ao teu mail: peço-te compreensão e paciência. A resposta chegará.

Os textos e as imagens

Os textos das mensagens deste blogue têm várias fontes. Alguns são resultados de pesquisas em sites, blogues ou páginas de informação na Internet. Outros são artigos de opinião do autor do blogue ou de algum dos seus colaboradores. Há ainda textos que são publicados por terem sido indicados por amigos ou por leitores do blogue. Muitos dos textos que servem de base às mensagens foram traduzidos, tendo por vezes sofrido cortes. Outros textos são adaptados, e a indicação dessa adaptação fará parte do corpo da mensagem. A maioria dos textos não está escrita segundo o novo acordo ortográfico da língua portuguesa, pelo facto do autor do blogue não o conhecer de forma aprofundada.

As imagens que ilustram as mensagens são retiradas da Internet. Quando se conhece a sua autoria, esta é referida. Quando não se conhece não aparece nenhuma referência. Caso detectem alguma fotografia não identificada e conheçam a sua autoria, pedimos que nos informem da mesma.

As imagens são ilustrativas e não são sempre directamente associáveis ao conteúdo da mensagem. É uma escolha pessoal do autor do blogue. Há um critério de estética e de temática ligado ao teor do blogue. Espero, por isso, que nenhum leitor se sinta ofendido com as associações livres entre imagem e conteúdo.

Contribuidores

Amigos do blogue

Arquivo do blogue

Mensagens mais visitadas nesta semana

Categorias

11/9 (1) 2011 (1) 25 de Abril (1) 3ª idade (1) 5ª feira Santa (1) abandono (2) abertura (3) aborto (3) abraão (1) abraço (1) abusos (4) acção (3) aceitação (2) acolhimento (15) acompanhamento (3) açores (1) acreditar (1) acrobacia (1) activistas (2) actores (1) actos dos apostolos (1) actualidade (78) adão e eva (1) adesão (1) adeus (2) adilia lopes (2) administrativo (1) admiração (1) adolescentes (1) adopção (15) advento (10) afecto (3) africa (21) africa austral (1) africa do sul (8) agir (1) agressividade (1) água (2) alan gendreau (1) alegorias (1) alegria (8) aleluia (1) alemanha (13) alentejo (3) alerta (1) Alexandre Quintanilha (1) alimento (1) alma (4) almada (1) alteridade (1) alternativo (9) amadeo de sousa cardoso (1) amargura (1) américa (5) américa central (1) américa latina (10) AMI (1) amigo (3) amizade (3) amnistia internacional (2) amor (43) amplos (2) androginia (1) andrógino (1) angelo rodrigues (1) angola (2) animal (2) anjos (5) anselmo borges (1) anti-semitismo (1) antigo testamento (15) antónio ramos rosa (3) antropologia (1) anunciação (1) anuncio (1) ao encontro (1) aparência (1) aparições (2) API (1) apocalipse (1) apócrifos (1) apoio psicologico (1) apple (1) aprender (1) aproximar (1) ar livre (1) arabes (1) arabia saudita (2) arbitro (1) arco-iris (4) argélia (3) argentina (9) arquitectura (4) arrependimento (1) arte contemporanea (8) arte e cultura (300) arte sacra (45) artes circences (1) artes plásticas e performativas (29) artista (2) arvo pärt (5) ascensão (1) asia (9) asilo (2) assassinato (1) assembleia (1) assexuado (3) assexual (1) assexualidade (2) assintomático (1) associação do planeamento da família (1) associações (1) astronomia (1) ateliers (1) atenção (4) ateu (2) atletas (1) australia (6) autoconhecimento (1) autodeterminação de género (1) autoridade (1) avareza (1) ave-maria (2) azul (1) bach (4) bairro de castro (1) baixa (1) banco alimentar (3) bancos (1) bandeira (2) baptismo (1) baptizado (2) barcelona (4) barroco (3) basquetebol (1) beatificação (1) beatos (1) beckham (1) beijo (4) beja (1) beleza (15) bélgica (2) belgrado (1) belo (5) bem (4) bem estar (1) bem-aventuranças (1) ben sira (1) beneditinos (2) bento xvi (33) berlim (5) berlusconi (1) best-sellers (1) bethania (2) betos (1) bi (1) bíblia (39) bicha (1) bienal (1) bifobia (1) bigood (1) bill viola (1) biografias (21) biologia (4) bispos (6) bissexualidade (9) bizantina (1) bjork (1) blogue informações (43) blogues (2) blondel (1) boa nova (1) boa vontade (1) bom (1) bombeiro (1) bondade (1) bonecas (1) bonhoeffer (2) bose (3) botswana (1) boxe (2) braga (1) brasil (14) brinquedos (1) britten (1) budismo (2) bullying (5) calcutá (1) calendário (3) calvin klein (1) caminhada (1) caminho (5) campanha de solidariedade (5) campo de concentração (3) cancro (1) candidiase (1) candomblé (1) canonização (2) cantico dos canticos (3) canticos (2) canto (1) cantores (2) capela do rato (9) caraíbas (3) caravaggio (4) carcavelos (1) cardaes (1) carência (1) caridade (6) caritas (2) carlos de foucauld (1) carmelitas (2) carnaval (1) carta (14) carta pastoral (2) casa das cores (1) casais (8) casamento (58) castidade (3) castigo (1) catalunha (1) catarina mourão (1) catecismo (2) catolica (1) catolicismo (23) causas (1) CD (1) cegueira (1) ceia (1) celebração (3) celibato (6) censos (3) censura (1) centralismo (1) cep (1) cepticismo (1) céu (1) chapitô (1) charles de foucauld (1) chatos (1) chechénia (1) chemin neuf (1) chicotada (1) chile (2) china (1) chirico (1) chorar (1) cidade (2) ciência (2) cig (1) cimeira (3) cinema (37) cinemateca (1) cinzas (1) circo (1) cisgénero (1) civismo (1) clamidia (1) clarissas (1) clausura (2) clericalismo (2) clero (4) cliché (1) co-adopção (3) cocteau (2) código penal (2) colaborador (1) colegialidade (1) colegio cardenalicio (2) colégio militar (1) colóquio (2) colossenses (1) combate (1) comemoração (1) comentário (1) coming out (1) comissão justiça e paz (1) comodismo (1) compaixão (1) companhia de jesus (10) comparação (1) complexidade (1) comportamento (2) composição (1) compromisso (1) comunhão (15) comunicação (1) comunidade (3) comunidade bahai (1) comunidades (2) conceitos (15) concertos (18) concílio (1) condenação (7) conferência (16) conferencia episcopal portuguesa (1) confessar (1) confiança (4) confissão (3) conformismo (1) conhecer (2) conjugal (1) consagrado (1) consciência (4) consumo (1) contabilidade (1) contemplação (4) contos (1) contracepção (1) convergencia (1) conversas (1) convivência (2) cópia (1) copta (1) coração (5) coragem (4) coreia do norte (1) cores (1) corintios (1) corita kent (1) coro (1) corpo (15) corpo de Deus (1) corporalidade (1) corrupção (1) corrymeela (1) criação (1) crianças (7) crime (8) criquete (1) crise (7) cristianismo (37) cristiano ronaldo (2) crítica (14) crossdresser (2) CRS (2) cruz (10) cuba (1) cuidado (1) culpa (3) culto (2) cupav (2) cura (2) curiosidade (6) cursos (4) CVX (1) dádiva (1) dador (2) dadt (8) daltonismo (1) dança (3) Daniel Faria (4) daniel radcliffe (2) daniel sampaio (1) danielou (1) dar (3) dar a vida (12) dar sangue (2) Dark Hourses (1) David (8) david lachapelle (3) defuntos (1) democracia (1) deportação (1) deputados (1) desassossego (3) descanso (1) descentralização (1) descobrir (1) descrentes (1) descriminalização (4) desejo (3) desemprego (1) desenho (12) deserto (2) desfile (1) desilusão (2) despedida (1) desperdicio (1) desporto (32) detecção (1) Deus (40) dia (1) diácono (1) diálogo (8) diálogo interreligioso (6) diferenças (3) dignidade (2) dinamarca (1) dinamismo (1) dinheiro (1) direcção espiritual (1) direito (30) direitos humanos (51) direitos lgbt (7) discriminação (29) discussão (5) disforia de género (1) disponibilidade (1) ditadura (1) diversidade (7) divindade (2) divisão (1) divorciados (2) divórcio (3) divulgação (1) doadores (1) doclisboa (1) documentários (3) documentos (1) doença (2) dogma (1) dois (1) dom (5) doma (1) dominicanas (4) dominicanos (6) donativos (1) dons (1) dor (3) doutores da igreja (1) doutrina da fé (1) doutrina social (4) drag (2) drag queens (2) dst (2) e-book (1) eckart (2) eclesiastes (3) eco (1) ecologia (5) economia (5) ecos (1) ecumenismo (11) edith stein (3) educação (7) efeminação (1) efeminado (2) egipto (2) ego (1) egoismo (1) elite (1) emas (1) embrião (1) emoção (1) empatia (1) emprego (10) enciclica (2) encontro (13) ensaios (11) ensino (1) entrevista (11) entrudo (1) equipa (1) equipamentos (1) erotismo (3) escandalo (1) escândalo (2) esclarecimento (1) escolas (5) escolha (1) escravatura (1) escultura (7) escuta (5) espaço (3) espanha (9) espanto (1) espectáculos (1) espera (4) esperança (3) esperma (4) espermatezoide (1) espírito (3) Espírito Santo (3) espiritualidade (91) esquecer (1) estatística (13) estética (3) estoril (2) estrelas (1) estudos (20) estupro (1) eternidade (1) ética (3) etty hillesum (4) eu (4) EUA (37) eucaristia (9) eugenio de andrade (4) eurico carrapatoso (8) europa (43) eutanásia (1) evangelho (16) evangelização (2) évora (1) exclusão social (2) exegese (1) exemplo (2) exercicios espirituais (1) exército (12) exibicionismo (1) exodus (1) exposição (1) exposições (13) ezequiel (1) f-m (1) f2m (1) facebook (4) fado (1) falar (1) falo (2) faloplastia (1) família (34) famílias de acolhimento (1) famosos (18) fardo (1) fátima (4) (20) fé e cultura (3) fecundidade (1) feio (1) felicidade (1) feminino (2) feminismo (1) fernando pessoa (1) festa (2) festival (11) fidelidade (1) FIFA (4) figuras (11) filhos (1) filiação (1) filipinas (1) filmes (27) filosofia (4) finlandia (1) firenze (2) flagelação (1) flaubert (1) flauta (2) floresta (1) fome (3) fontana (1) força (1) forças armadas (2) formação (3) fotografia (36) fr roger de taizé (2) fragilidade (4) frança (8) francisco I (48) francisco tropa (1) françoise dolto (2) fraqueza (1) fraternidade (4) freira (2) freud (2) frio (1) fronteira (2) ftm (1) fundacao evangelizacao culturas (3) funeral (1) futebol (16) futebol americano (1) futuro (2) galileu (1) galiza (1) ganancia (1) gandhi (1) gastronomia (2) gaudi (2) gaudium et spes (2) gay (106) gay lobby (3) gaydar (1) gayfriendly (2) género (19) generosidade (1) genes (1) genesis (2) genética (4) genital (1) geografia (1) gestos (1) gilbert baker (1) glossário (15) gnr (2) goethe (1) gomorra (2) gonorreia (1) gozo (2) gratuidade (3) gravura (1) grécia antiga (3) grit (1) grün (1) grupos (1) gula (1) gulbenkian (3) habitação (1) haiti (1) harvey milk (1) havai (1) heidegger (1) helbig (1) henri de lubac (1) herança (1) hermafrodita (2) hermafroditismo (2) herpes genital (1) heterofobia (1) heterosexuais (4) heterosexualidade (2) heterossexismo (2) hierarquia (28) hildegarda de binden (1) hinos (1) hipocrisia (1) história (37) Hitler (1) holanda (5) holocausto (2) homem (12) homenagem (2) homilia (6) homoafetividade (7) homoerotismo (13) homofobia (60) homoparentalidade (3) homossexualidade (140) honduras (1) hormonas (1) hospitalidade (4) HPV (1) HSH (3) humanidade (5) humildade (6) humor (8) hysen (2) icone gay (9) icones (3) idade (1) idade média (2) idealização (1) identidade (13) ideologia do género (2) idolatria (1) idolos (1) idosos (1) ignorância (2) igreja (128) igreja anglicana (4) igreja episcopal (1) igreja luterana (2) igreja presbiteriana (1) igualdade (8) II guerra mundial (7) ILGA (10) iluminismo (1) iluminuras (1) ilustração (1) imigração (1) imitação (1) impaciencia (1) imprensa (53) incarnação (1) incerteza (1) inclusão (3) incoerência (1) inconsciente (1) indemnização (1) india (2) individuo (1) infalibilidade (1) infancia (1) infância (1) infecção (1) infertilidade (1) infinito (1) informática (1) ingenuidade (1) inglaterra (3) iniciativas (1) inimigos (3) injustiça (1) inocentes (1) inquérito (1) inserção social (1) instrumentos musicais (1) integração (1) intercessão (1) intercultural (2) interior (4) internacional (2) internet (1) interpretação (1) interrogação (1) intersexualidade (4) intolerância (2) inutilidade (1) investigação (4) irão (1) irlanda (5) irreverencia (1) isaias (2) islandia (1) islão (12) israel (2) IST (3) italia (4) jacob (2) jacques berthier (1) james alison (4) jantar (1) japão (1) jardim (1) jeremias (1) jerusalem (1) jesuitas (2) jesus cristo (38) JMJ (7) João (7) joao climaco (1) joao paulo II (8) joão XXIII (2) job (1) jogos (2) jogos olimpicos (1) Jonatas (5) jorge sousa braga (1) jornadas (1) jornalismo (2) jovens (6) judaismo (9) judas (4) jung (2) justiça (21) juventude (5) kitsch (3) ladrão (1) lady Gaga (2) lagrimas (2) laicidade (2) lançamento (1) lazer (2) LD (1) lectio divina (1) lei (24) lei da blasfémia (1) leigos (3) leigos para o desenvolvimento (1) leiria (1) leituras (37) leonardo da vinci (1) lésbica (49) Levinas (1) levítico (2) lgbt (65) lgbti (16) liberdade (7) libertinagem (1) liderança (3) limpeza (1) linguagem (1) lisboa (79) literatura (3) lituania (1) liturgia (4) livrarias (2) livros (35) ljungberg (2) londres (1) Lopes-Graça (1) lourdes castro (4) loures (1) louvor (2) lua (1) lubrificante (1) lucas (4) lucian freud (1) luta (5) luto (2) luz (1) m-f (1) M2F (1) machismo (1) macho (2) madeleine delbrel (1) madre teresa de calcuta (7) madureira (1) mães (6) mafra (1) magdala (2) magnificat (8) magrebe (1) mal (2) malasia (1) man (1) mandamentos (1) manifestação (1) manuel alegre (1) manuel clemente (2) manuel neuer (2) maori (1) mãos dadas (1) marcha (5) marcos (1) Maria (13) maria de lourdes belchior (1) maria madalena (2) maria-rapaz (1) marinheiros (1) marrocos (2) martini (2) mártir (3) martírio (2) masculinidade (9) mastectomia (1) matéria (1) maternidade (1) mateus (6) matrimónio (1) mecenas (2) media (2) mediação (1) médicos (2) medio oriente (2) meditacao (7) medo (9) meia-idade (1) membro (1) memória (1) memorial (1) menino (2) menores (2) mensagem (1) menstruação (1) mentira (1) mercado (1) mesa (1) mestrado (1) metafora (1) metanoia (1) méxico (3) michael stipe (2) Michelangelo (2) Michele de Paolis (2) micronesia (1) miguel esteves cardoso (2) milão (1) mimesis (1) mineiros (2) minimalismo (1) ministerio publico (1) minorias (1) minorias étnicas (1) mira schendel (1) misericordia (3) misericórdia (1) misoginia (1) missa (7) missão (4) missionarias da caridade (1) missionário (3) mistério (2) mística (5) mitcham (2) mito (1) mitologia (2) mitos (1) moçambique (3) moda (5) modelos (8) modernidade (2) moldavia (1) monge (2) monoparentalidade (1) montenegro (1) monumentos (1) morada (1) moral (6) moralismo (1) morte (25) mosteiro (1) movimento civico (1) movimento gay (1) MSV (1) MTF (1) mudança (1) mudança de sexo (5) mulheres (8) mundial (3) mundo (145) musculos (1) museus (11) música (86) musical (1) namoro (2) nan goldin (1) não crentes (1) não-violência (1) narciso (2) natação (1) natal (24) natividade (3) NATO (3) natureza (5) nauru (1) nazis (5) newman (1) nigeria (1) nobel (1) nómada (1) nome (4) nomeação (1) nós somos igreja (1) nossa senhora (1) nota imprensa (1) notícias (1) nova iorque (2) nova zelandia (2) novelas (1) novo testamento (5) nudez (18) NY (1) obediência (1) objectivos milénio (1) obra (14) obstáculos (1) oceania (1) ocupação (1) ódio (5) ofensa (1) olhar (2) olimpicos (2) omnissexualidade (1) ONU (13) opinião (144) oportunidades (3) optimismo (2) opus gay (2) oração (52) oração comum (2) orar (3) ordem de cister (1) ordem dos advogados (1) ordem dos médicos (6) ordenação de gays (2) ordenação de mulheres (4) orgão (3) orgulho gay (7) orientação (12) oriente (1) origem (2) orlando cruz (1) ortodoxia (2) ousar (1) ovideo (1) ovocitos (1) ovulo (1) paciencia (1) pacífico (3) pacifista (1) padraig o tuama (1) padre (21) padre antónio vieira (1) padres casados (1) padres do deserto (2) pai (3) pai-nosso (2) pais (5) pais de gales (1) paixão (11) palácios (1) palavra (7) palestina (1) palestra (1) paneleiro (1) pansexualidade (1) papas (31) papel da mulher (2) papiloma (1) paquistão (1) paradas (3) parágrafo 175 (2) paraíso (2) parcialidade (1) parentalidade (2) paris (7) parlamento (3) participação (2) partilha (7) pascal (3) páscoa (2) pasolini (2) pastoral homossexual (23) pastoral trans (1) pastoral universitária (2) paternidade (2) patinagem (3) patio dos gentios (2) patriarca (1) património (4) paul claudel (3) paulo (3) pausanias (1) paz (9) pecado (7) pederasta (1) pedir (1) pedofilia (9) pedra (1) pena (4) penitência (3) pensamentos (2) pensão (1) pentecostes (2) perdão (4) peregrino russo (1) perfeição (1) pergunta (1) periferias (2) perigo (1) perseguição (1) perseverança (1) pessimismo (2) pessoa (8) petição (1) piano (1) piedade (1) pina bausch (1) pink narcisus (1) pintura (14) piolho-da-pubis (1) pistas (1) pluralidade (1) pobreza (10) poesia (50) poitiers (1) polémica (3) poliamor (1) policia (2) polissexualidade (1) política (46) polo aquatico (1) polónia (1) POP art (1) população (1) pornografia (1) porto (8) porto rico (1) portugal (102) povo de Deus (3) prática (2) prazer (4) prece (3) preconceito (2) prémios (12) presença (1) presépios (4) preservativo (12) presidente (3) prevenção (1) pride (1) primavera (3) principes (1) prisão (1) procriacao (3) procura (2) professores (1) projecto (1) prostituição (3) prostituta (1) protagonista (1) provisório (1) próximo (5) psicanálise (1) psicologia (16) psicoterapia (1) psiquiatria (1) publicidade (2) qatar (4) quaintance (1) quakers (1) quaresma (14) queer (6) quenia (1) questionário (1) quotidiano (1) racial (1) racismo (3) radcliffe (2) rahner (1) rainhas (1) ranking (1) raul brandão (1) rauschenberg (1) razão (2) realidade (5) reciclar (5) recolha de alimentos (1) recolhimento (1) reconciliação (3) rede ex aequo (8) redes sociais (3) refeição (1) reflexão (47) reforma (3) refugiados (1) registo civil (2) reino de Deus (2) reino unido (12) reis (9) relação (15) relatórios (2) religião (15) religion today (1) religiosidade (3) religioso (2) REM (2) Renascimento (1) repetição (1) repouso (1) repressão (1) reproducao (2) república (1) republica checa (1) respeito (2) respiração (1) responsabilidade (2) ressurreição (1) retrato (3) reutilizar (5) rezar (2) Richard Zimler (1) ricky martin (4) ricos (1) rilke (4) rimbaud (1) riqueza (1) rival (1) rodin (1) roma (3) romance (1) romanos (1) romenia (1) rosa (6) rosto (1) rotina (1) roupa interior (1) rufus wainwright (5) rugby (4) rui chafes (1) rumos novos (3) russia (3) s. bento (7) s. valentim (1) sabedoria (2) sacramentos (2) sacro (1) sagrada família (3) sagrado (6) sahara ocidental (3) sair (2) sair do armario (16) salmos (5) salvação (5) Samuel (1) sanção (1) sangue (1) santa catarina (1) santa cecilia (1) santa sé (2) santa teresa de avila (2) santarem (4) santas (1) santegidio (1) santidade (7) santo agostinho (3) santos (16) sao francisco (5) sao joao (1) São José (1) sao juliao (1) sao tomas de aquino (1) sao tome e principe (1) sapatas (1) sapatos (1) saramago (1) sartre (1) saúde (23) Saul (1) seamus heaney (1) sebastião (9) séc XX (1) sedução (1) segurança (2) sem-abrigo (1) semana santa (4) semen (1) seminários (4) sensibilidade (1) sensibilização (1) sentença (1) sentidos (4) sentimentos (2) ser (2) ser humano (2) ser solidário (44) sermões (1) serralves (1) servia (2) serviço (7) setúbal (2) sexismo (1) sexo (8) sexo biológico (2) sexo seguro (2) sexualidade (22) sicilia (1) sida (19) sífilis (1) sightfirst (1) silêncio (9) símbolos (2) simone weil (2) simplicidade (3) singapura (1) singularidade (1) sínodo (5) sintomas (1) sintomático (1) sobrevivente (1) sociedade (83) sociologia (1) sodoma (2) sodomia (2) sofrimento (11) solicitude (1) solidão (8) solidariedade (3) sondagem (10) sonhos (2) Sophia (7) st patrick (1) stockhausen (1) stonewall (2) suécia (4) suicidio (5) surrealismo (1) susan sontag (1) taborda (1) tabu (2) taizé (6) talentos (1) tapeçaria (1) tavener (6) TDOR (1) teatro (14) teatro do ourives (1) tecnologia (3) tel aviv (1) televisão (2) templo (1) tempo (4) temps d'images (1) tenebrismo (1) tentação (1) teologia (38) teologia da libertação (2) teresa benedita da cruz (1) teresa forcades (1) terras sem sombra (1) terrorismo (1) teste (1) testemunhos (33) textos (1) the king's singers (1) Thibirine (2) thomas merton (1) tibães (1) timor (1) timoteo (1) tocar (1) tolentino (11) tolerância (5) tortura (1) trabalho (5) traição (1) transexualidade (21) transfobia (6) transformista (1) transgender (8) transgeneridade (1) transgéneros (3) travesti (3) travestismo (3) trevor hero (1) triângulo (5) tribunal (4) tricomoniase (1) Trindade (2) trinidad e tobago (1) troca (1) tu (1) turquia (3) ucrania (2) uganda (5) unção (1) UNESCO (1) união (15) único (1) unidade (6) unitaristas (1) universal (1) universidade (2) universo (1) utero (1) útil (1) vaidade (3) valores (2) vanitas (1) vaticano (39) vaticano II (12) velhice (3) veneza (3) vento (1) verdade (8) vergonha (1) via sacra (8) vício (1) vida (59) vida dupla (1) vidas consagradas (2) video (30) vigarice (1) vih/hiv (19) vingança (1) vintage (1) violação (4) violência (9) violência doméstica (1) VIP (1) virgindade (1) viril (2) virilidade (1) vírus (1) viseu (1) visibilidade (2) visitação (1) visitas (7) visões (1) vitimas (2) vitrais (1) viver junto (2) vocação (5) voluntariado (10) von balthasar (2) vontade (1) voyeur (1) warhol (1) whitman (1) wiley (1) wrestling (1) xenofobia (3) youtube (1) yves congar (1)

As nossas visitas